segunda-feira, 28 de julho de 2014

Grupo faz mapeamento detalhado da matéria escura no Universo


Um grupo internacional de pesquisadores acaba de concluir um mapeamento
detalhado da distribuição da misteriosa matéria escura pelo Universo.
Ninguém sabe exatamente do que ela é feita, o que se torna ainda mais constrangedor
diante do fato de que a matéria escura responde por 80% de toda a matéria do
Cosmos.
Os novos resultados parecem apoiar o modelo mais popular entre os cientistas,
segundo o qual a matéria escura é composta por partículas que se movem a
velocidades muito inferiores às da luz e que, apesar de ter massa, interagem muito
fracamente com a matéria convencional.
Contudo, o estudo ainda está longe de ser capaz de discriminar de forma definitiva
entre os diversos modelos cosmológicos possíveis.
"Ainda há muitas alternativas que se encaixam", disse à Folha Martín Makler,
pesquisador do Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas (CBPF) que participou do
trabalho, publicado no periódico "Monthly Notices of the Royal Astronomical Society

O MAPA DO INVISÍVEL
Não é trivial realizar um mapeamento de uma forma de matéria que não emite luz e,
portanto, é invisível.
Os cientistas precisam recorrer ao único efeito detectável produzido pela matéria
escura: a gravidade que ele exerce sobre os objetos visíveis.
Em particular, o grupo, que tem pesquisadores da Suíça, da França, do Canadá, da
Alemanha e do Brasil, explorou um fenômeno que foi primeiro previsto pela teoria da
relatividade geral, de Albert Einstein: as lentes gravitacionais.
É a ideia de que um corpo celeste mais próximo que esteja entre nós e outro objeto
mais distante faz com que os raios de luz do objeto afastado se curvem suavemente,
do mesmo jeito que a refração de uma lente convencional faz.
Como a matéria escura representa muito mais massa do que a convencional, seu
efeito nas lentes gravitacionais é pronunciado. Ao detectar as distorções nos caminhos
da luz, é possível estimar a quantidade de matéria escura no espaço que separa o
objeto mais distante de nós.
O resultado do esforço, feito com o Telescópio Canadá-França-Havaí, é um mapa
bidimensional sem profundidade, portanto da distribuição da matéria escura, que
cobre uma faixa do céu com 170 graus quadrados de área.
RESOLUÇÃO
Uma das novidades importantes do novo estudo é que os pesquisadores incluíram no
mapa as concentrações não muito grandes de matéria escura _os chamados picos
baixos.
"Com isso ganhamos muito mais 'objetos' e, portanto, precisão na medida", destaca
Makler.
O resultado também traz consigo novos mistérios. Os pesquisadores encontraram por
exemplo alguns picos que não correspondem a grupos e aglomerados de galáxias. Ou
seja, os "objetos" que teriam curvado os raios de luz seriam 100% escuros, sem
matéria convencional.
É um achado intrigante, de forma que os cientistas agora estão concentrados em
confirmar que esses picos são reais. "Se não há galáxias ou aglomerados associados,
isso teria fortes implicações para a cosmologia, no nosso conhecimento sobre a
formação de estruturas no Universo", afirma o pesquisador.
Importante lembrar que o estudo também ajuda a desvendar a outra metade do
mistério da cosmologia moderna: a energia escura. Trata-se de uma força que está
acelerando a expansão do Universo, agindo contrariamente à gravidade, e que
ninguém, no momento, sabe exatamente o que é.

Endereço da página:
http://www1.folha.uol.com.br/ciencia/2014/07/1492049-grupo-faz-mapeamento-detalhado-da-materia-escura-no-universo.shtml 

Nenhum comentário:

Postar um comentário