quinta-feira, 29 de setembro de 2011

Colisões de ‘superestrelas’ ajudam astrônomos a estudar a gravidade

Do G1, em São Paulo

Telescópios futuros poderão analisar o fenômeno.
Objetivo é entender a aplicação da teoria de Einstein no espaço.

A colisão de duas “estrelas de nêutrons” pode ajudar cientistas a estudar a aplicação da teoria da relatividade de Albert Einstein no espaço, segundo um estudo publicado na revista “Nature” nesta quinta-feira (29).


“Estrelas de nêutrons” são astros muito densos: têm uma massa equivalente à do nosso Sol, mas “apertada” em uma área muito menor, de cerca de 20 quilômetros. Elas se formam após o colapso de uma supernova.




Ilustração de uma estrela de nêutrons (Foto: Jacobs University Bremen)


Quando dois exemplares do tipo colidem no espaço o resultado é uma onda de choque de rádio que, segundo pesquisadores israelenses, pode ser estudada para avaliar os efeitos da gravidade no espaço. Isso porque a “batida” é um evento tão forte, tão energético, que é capaz de alterar o próprio “espaço-tempo”.


Os pesquisadores acreditam que a geração futura de telescópios pode ser capaz de analisar essa onda e ajudar a entender melhor como funciona a gravidade entre os corpos celestes.

Nenhum comentário:

Postar um comentário